Syndicate content

September 2012

O dia letivo é muito curto na América Latina?

Peter Holland's picture

Also available in English, Spanish

Um maior número de horas em sala de aula significa melhores notas? Passar mais tempo na escola é um tema que vem sendo discutido como uma solução para melhorar o desempenho acadêmico dos alunos, visando tornar os países mais competitivos na economia global.

Isto é igualmente verdadeiro para as nações emergentes e avançadas.

Mulheres latino-americanas fomentam a prosperidade da região

Joao Pedro Azevedo's picture

Also available in English, Spanish

 

As mulheres estão se tornando progressivamente as parceiras mais importantes no desenvolvimento da América Latina. Mães, estudantes, profissionais atuantes, mulheres de todas as origens são hoje a força motora da revolução de gênero que contribuiu de modo bastante significativo para a prosperidade de nossa região.

Na última década, os países latino-americanos apresentaram um expressivo avanço na redução da pobreza e da desigualdade. Agora sabemos que uma grande parte desse progresso pode ser creditado às mulheres. Isto é tão verdadeiro que, se não houvesse tantas mulheres participando da força de trabalho, a pobreza extrema na região teria sido 30% maior em 2010. Algo semelhante pode ser dito sobre o recente progresso da região face à persistente desigualdade, como enfatiza o relatório Poverty and Labor Brief: The Effect of Women’s Economic Power in Latin America and the Caribbean (Informe sobre Pobreza e Trabalho: O efeito do poder econômico das mulheres na América Latina e no Caribe).

Por que os governos deveriam se importar com a melhoria dos seus sistemas de pagamento?

Massimo Cirasino's picture

También disponible en español

Independentemente do estágio de desenvolvimento em que um país se encontra, seus governos fazem e coletam pagamentos tanto de indivíduos quanto de empresas. Recursos financeiros também são transferidos entre agências do governo. Esses fluxos cobrem uma ampla gama de atividades e setores econômicos. E, na maior parte dos casos, a soma de todos os fluxos é significativa – normalmente variando entre 15% e 45% do PIB.