Nutrição na América Latina: um menu de políticas para melhorar as respostas de emergência

|

This page in:

 También disponible en español e inglés

Mulheres e crianças primeiro! Este chamado parece familiar? A regra cavalheiresca que ficou famosa no naufrágio do Titanic parece ter se estendido, de nossas mentes, a todas as situações de emergência.

Apesar disso, parece que na América Latina e no Caribe (e) esta regra há muito tempo estabelecida não pode ser levada ao pé da letra. Como se sabe, em geral mulheres e crianças não ocupam o primeiro lugar nas iniciativas públicas destinadas às situações emergenciais e de crise.

Dito de outra maneira, se poderia imaginar que com os desastres naturais, as turbulências econômicas e os longos períodos de aumento de preços dos alimentos que atingem obstinadamente a nossa região, os países estariam bem equipados para proteger os mais vulneráveis contra situações prejudiciais e preservar o seu futuro potencial.

Sob muitos aspectos, estamos de fato preparados. Nos encontramos, por exemplo, mais prepardos para enfrentar os riscos dos desastres naturais e da volatilidade econômica, graças às redes de proteção social e às sólidas políticas socioeconômicas.

No entanto, uma consulta recente abrangendo 12 países latino-americanos revelou que a maioria das políticas e dos programas de resposta às crises ignorou as necessidades maternas e infantis, especialmente quanto à nutrição. Na verdade, a América Latina continua a ser uma das regiões mais desiguais no mundo, onde a erradicação da desnutrição ainda constitui uma agenda incompleta.

É francamente surpreendente que as taxas de desnutrição entre os povos indígenas e as crianças mais pobres se comparem aos níveis da África Subsaariana. Na última década, apesar dos significativos avanços socioeconômicos da região, constatou-se que 7,2 milhões de crianças apresentam baixa estatura em relação à sua idade como resultado da desnutrição e milhões de mães são anêmicas.

Um estudo recente da Universidade de Harvard mostrou que a altura média das mulheres pobres na Guatemala, em Honduras e no Peru não aumentou nos últimos 50 anos. Fico intrigada que tão pouca atenção seja dedicada à nutrição equilibrada.

Repetidas vezes ficou provado que o investimento em nutrição maternal e infantil é uma situação em que todos ganham. Este ano, o Consenso de Copenhague priorizou um conjunto de ações, ou intervenções (como as chamamos em nossa especialidade) para reduzir a subnutrição entre as crianças de nível pré-escolar, como um mecanismo mais adequado para melhorar o bem-estar global.

Essas medidas estimulam os formuladores de políticas e os filantropos a considerar a subnutrição como a sua principal prioridade. Essa “intervenções” acarretariam um retorno de US$30 para cada US$1 gasto.

No entanto, os investimentos em nutrição na América Latina e no Caribe ainda são muito reduzidos se comparados a outras áreas. Ações simples podem resultar em grandes contribuições

A promoção e a proteção da amamentação deveria ser uma ação de alta prioridade, especialmente nos tempos de crise. O leite materno é gratuito, altamente nutritivo e protege a criança contra doenças como a diarréia.

Algumas dessas ações são simples, mas produzem resultados eficazes para proteger as crianças de choques e emergências. Elas incluem:

  • prevenção das deficiências de micronutrientes através do fornecimento de micronutrientes em pó; 
  • O tratamento da desnutrição aguda, especialmente com a provisão de alimentos prontos para o uso;
  • O tratamento da diarréia por meio de soluções para reidratação oral combinadas ao zinco;


A priorização das mulheres grávidas e lactantes, assim como das crianças abaixo de dois anos, na distribuição de porções de alimentos e de água. Uma colaboração e coordenação eficientes entre os setores certamente levaria a um uso mais produtivo dos recursos.

Também é importante aperfeiçoar a fiscalização pouco rígida e os sistemas de monitoramento para acelerar a tomada de decisões abalizadas nos períodos de instabilidade. A maioria dos países necessita atualizar as suas políticas segundo as mais recentes evidências nutricionais validadas internacionalmente.

Para garantir o direito de todos a uma vida produtiva e saudável, é fundamental priorizar a boa nutrição durante os 1000 primeiros dias de vida.

Os países precisam investir nesta poderosa janela de oportunidade: a partir do momento em que uma criança é concebida até que ela complete dois anos de idade.

A perda de capital humano e o subsequente desperdício de potencial econômico devido à má nutrição são por demais onerosos. Espero que este blog contribua para a manutenção de um diálogo sobre nutrição. Para saber mais sobre este assunto, veja esta série de manuais publicados recentemente.

How to Protect and Promote the Nutrition of Mothers and Children: A Toolkit for Stable, Crisis and Emergency (Como proteger e promover a nutrição materna e infantil: um manual para situações estáveis, de crise e emergenciais) foi planejado para ajudar os países a modernizar as suas políticas e práticas de modo a proporcionar maior proteção às pessoas mais vulneráveis nos períodos de necessidades nutricionais mais intensas.

Fique à vontade para baixar, distribuir e compartilhar esse material nas mídias sociais. Na condição de uma instituição, nós nos perguntamos: “O que é necessário para acabar com a pobreza?” Estou convencida de que garantir um nível ideal de nutrição para todas as mães e crianças em todas as circunstâncias é certamente uma parte da resposta.

Topics

Authors

Marie Chantal Messier

World Bank Senior Nutrition Specialist for Latin America and the Caribbean

Join the Conversation

Antonia Evaneide de Araújo Lima
August 22, 2013

I think the malnutrition so stand in the childrens on northeast Brasil; is the hidden malnutrition.work is required nutrition education for underserved populations.