Terra Ranca! Um novo começo para a Guiné-Bissau

|

This page in:

@ Daniella Van Leggelo Padilla, World Bank Group
No día 25 de Março de 2015, a comunidade internacional reuniu-se em Bruxelas a fim de mobilizar recursos para a Guiné-Bissau, cujo governo e o povo guineense parecem prontos para um novo começo.

Este é o ano de esperança para a Guiné-Bissau, uma nação de 1,7 milhões de habitantes e um dos mais pobres países no mundo. O país enfrenta uma oportunidade histórica para pôr fim ao passado de fragilidade e conflito, e virar a página ao baixo crescimento e à probreza. Os sinais são prometedores. Tiveram eleições gerais em Abril e Maio de 2014, consideradas pelos observadores como as mais livres e justas na História do país. Um novo governo democrático tomou posse em Junho de 2014, pondo fim ao período de transição.

Com apoio do Banco Mundial, o governo reduziu os atrasos de pagamento devidos aos professores, evitando assim a anulação do ano escolar de 2014 e reduzino o número de greves. O governo iniciou um programa de emergência para enfrentar a deterioração na área da energía e água, que tem constituido um ameaça à saúde pública. Suspendeu um novo imposto sobre a exportação de cajú—que um estudo do Banco Mundial estima como altamente regressivo—e reduziu a exportação ilegal de madeira preciosa. 

Para fornecer uma análise dos constragimentos ao desenvolvimento, que o governor enfrenta, o Grupo do Banco Mundial, recentemente, apresentou o Memorando Económico do País para 2015 ao governo na ilha de Rubane, Guiné-Bissau. O Memorando foi liderado pela Global Practice para Macroeconomia e Gestão Fiscal do Grupo Banco Mundial. O relatorio diagnóstico cobre uma análise dos constrangimentos nas áreas de energía, transportes, telecomunicações, desenvolvimento financeiro e do sector privado, reforma do sector público e governaçao, entre outros. Também oferece recomendações para boas politicas a fim de criar o caminho para reduzir a probreza e aumentar a prosperidade partilhada. Está disponível um sumário do Memorando, identificando quatro áreas de prioridade para acções imediatas:

  • Prioridade #1: Fortalecer o sector público
  • Prioridade #2: Melhorar o fornecimento de serviços públicos básicos
  • Prioridade #3: Apoiar o relançamento dos sectores productivos
  • Prioridade #4: Estimular o investimento privado 
Há um grande óptimismo na Guiné-Bissau que é manifestado pelo motto ‘terra ranca’, que significa um novo começo. Este sentimento é partilhado pela comunidade internacional, que vai recomeçar o seu apoio financeiro e técnico, apoio este que tem estado suspenso desde o golpe militar de 2012. O Grupo do Banco Mundial, vai providenciar US$250 milhões durante os próximos cinco anos, incluindo recursos da International Development Association (IDA).

Despois da mesa redonda dos doadores, de 25 Março de 2015, esperamos que este financiamento e apoio técnico correspondam a uma verdadeira transformação, uma mudança real que melhore a vida do povo da Guiné-Bissau. 

Authors

Marek Hanusch

Senior Economist in the World Bank’s Global Practice for Macroeconomics, Trade and Investment

Join the Conversation