Orientando Moçambique rumo a um futuro digital 

|

Esta página em:

Imagem
Two Mozambican children each hold a laptop and a cellphone while smiling at the camera
As tecnologias digitais podem proporcionar uma oportunidade para reescrever a história de Moçambique. ©Shutterstock

As tecnologias digitais podem proporcionar uma oportunidade para reescrever a história de Moçambique.   O acesso é uma peça crítica desta equação - expandir serviços de Internet de alta velocidade a preços acessíveis, também conhecida como cobertura de "banda larga" para todas as comunidades em Moçambique e conectar as pessoas nas suas casas, empresas e nos seus telemóveis.  Com acesso à banda larga, as pessoas podem entrar em linha para falar ou enviar dinheiro a membros de famílias distantes, os agricultores podem encontrar melhores preços para o seu milho ou mandioca sem serem obrigados a um intermediário, uma mãe expectante numa aldeia rural pode consultar um médico no seu smartphone, um jovem adulto em Maputo pode aprender a reparar carros assistindo vídeos no YouTube e criar um novo negócio. As possibilidades são quase infinitas.   

A percentagem de pessoas que têm acesso à Internet mais do que duplicou de 15 para 32% entre 2015 e 2021.  Apesar desta impressionante conquista, significa isto que, mais de dois terços dos moçambicanos ainda não têm acesso à Internet e estão, portanto, excluídos do mundo digital. Entre os não conectados, quase três quartos dizem não poder pagar serviços de Internet ou dispositivos ligados à Internet como smartphones e computadores.  Um terço da população vive em zonas rurais sem qualquer sinal de banda larga móvel - incapaz de se ligar a qualquer preço.  E um terço dos utilizadores de telemóveis não possui os conhecimentos necessários para utilizar a Internet nos seus aparelhos.  Estas barreiras são ainda mais acentuadas para as famílias com rendimentos mais baixos, mulheres e outros grupos vulneráveis. 

Este é o pano de fundo para o Projeto de Aceleração Digital de Moçambique. O projeto é uma colaboração entre o Governo de Moçambique e o Grupo Banco Mundial para enfrentar estes desafios e assegurar que muitos mais moçambicanos sejam capazes de se conectar em linha e tenham a capacidade de utilizar com confiança e segurança as tecnologias digitais para comunicar, aceder a informação e serviços na ponta dos dedos, e aumentar o seu potencial de ganhos.

O trabalho é amplo e ambicioso. Com base no portfólio digital mais vasto do Governo de Moçambique,1 apoiará, entre outras coisas:

  • Reformas políticas no sector das telecomunicações para encorajar mais investimento do sector privado para expandir a cobertura da rede e melhorar a velocidade da Internet, ao mesmo tempo que estimula mais concorrência para fazer baixar os preços para todos os consumidores;
  • Expansão das redes de banda larga móvel para cobrir mais de 2 milhões de pessoas em zonas profundamente rurais pela primeira vez, juntamente com pontos de acesso Wi-Fi público gratuito e programas para reduzir o preço de compra de smartphones em comunidades mal servidas e para grupos desfavorecidos;
  • Programas de competências digitais para aumentar as capacidades e o conforto na utilização das tecnologias digitais e no acesso a serviços digitais, bem como programas para preparar os estudantes do nível secundário para futuros empregos, ligando as salas de aula à Internet, equipando-os com computadores, e professores qualificados para garantir que os licenciados tenham as competências digitais necessárias para encontrar bons empregos na futura força de trabalho; e  
  • Investimentos na infraestrutura digital central, segurança cibernética e capacidades de proteção de dados necessárias para modernizar as operações governamentais e oferecer serviços públicos online mais convenientes, seguros e de fácil utilização.     

Em última análise, o sucesso do projeto será medido pelas histórias dos indivíduos com acesso à internet e habilidades digitais. Alguns utilizarão isto para tornar as tarefas de rotina mais convenientes ou as suas vidas mais agradáveis.  Por exemplo, utilizar uma carteira móvel ou um banco online para evitar ter de viajar e esperar na fila para levantar ou depositar dinheiro num banco, pagar uma conta de serviços públicos, taxas escolares ou impostos.  Para outros, especialmente os jovens, poderia alterar fundamentalmente a sua trajetória futura - criando um caminho para trabalhar remotamente para uma empresa global de desenvolvimento de software ou para uma empresa local de TI com um potencial de ganho de 20 ou mais vezes do que a média local.    

O alargamento, o aumento da digitalização da economia, da sociedade e do governo abrirá também o caminho para um crescimento mais robusto, equitativo e resiliente para o país como um todo.  A União Internacional das Telecomunicações (UIT), estima que cada aumento de 10% na penetração da banda larga móvel em África leva a um crescimento adicional do PIB per capita de 2,5%.2   A digitalização pode também ajudar a diversificar a economia, afastando-se de um modelo liderado pela exploração mineira e extração de recursos naturais que emprega e beneficia relativamente poucos, para uma economia alimentada pelo crescimento dos serviços e comércio digitalmente habilitados, que pode empregar e beneficiar muitos e é menos vulnerável a choques económicos ou climáticos. Por exemplo, pode expandir as oportunidades para as pequenas empresas se tornarem mais produtivas, crescerem e atingirem novos clientes através de plataformas e publicidade online, e ligar indivíduos a novas oportunidades de ganhar a vida. Quando o próximo ciclone, inundação ou seca ocorrer, ou se outra pandemia ou conflito ocorrer, pode assegurar que as empresas e o governo possam continuar as operações e as pessoas deslocadas possam ter acesso a serviços essenciais e assistência financeira virtualmente se as instalações físicas forem danificadas ou se as transações pessoais forem restringidas. 

Quando o projeto estiver concluído em 2028, este futuro digital deverá ser uma realidade para mais milhões de moçambicanos e o país como um todo deverá ter uma base digital muito mais sólida para continuar a construir e a inovar.

Countries
Regiões

Autores

Casey Torgusson

Program Manager for Global Engagement, World Bank Group

Idah Z. Pswarayi-Riddihough

Diretora para Moçambique, Madagáscar, Maurícias, Comores e Seicheles; África Oriental e Austral

Juntar-se à conversa