Considerando um sistema de aprendizagem adaptativo? Um roteiro para formuladores de políticas

|

Esta página em:

Young girl raises her hand during remote learning session.

copyright: Shutterstock

A tecnologia educacional, ou EdTech, tem sido um caminho promissor para abordar algumas das questões políticas mais desafiadoras dentro dos sistemas educacionais em países de baixa e média renda. No entanto, após décadas de promessas de inovar e revolucionar a educação, o impacto da EdTech nos resultados de aprendizagem foi misto . O esforço para fornecer suporte baseado em tecnologia para melhorar a instrução dos professores e facilitar a aprendizagem dos alunos tornou-se urgente, devido ao fechamento e reabertura de escolas devido à pandemia COVID-19. Um dos poucos aspectos positivos da pandemia é que ela transformou o ambiente, mudando o foco da inovacão para a mitigação e inclusão, com potencial para reduzir a desigualdade .         

A base de evidências de como as intervenções da EdTech funcionam para melhorar os resultados de aprendizagem dos alunos em países de baixa e média renda é limitada. Uma revisão sistemática recente (por Rodriguez-Segura, 2020) de estudos existentes confiáveis ​​descobriu que a tecnologia como única intervenção não funcionará para melhorar as práticas de ensino ou aprendizagem dos alunos. De todas as intervenções EdTech incluídas na revisão, aquelas focadas na aprendizagem com autonomia foram as formas mais importantes de melhorar os resultados de aprendizagem dos alunos.   

Facilitando a aprendizagem autônoma por meio de um sistema de aprendizagem adaptável 

A aprendizagem autônoma, ou a capacidade dos alunos de assumirem o controle de sua aprendizagem, em seu próprio ritmo ou nível, pode ser uma virada de jogo durante (e após) a pandemia. A aprendizagem autônoma pode ser desenvolvida sem tecnologia, mas com suporte intensivo do professor. No entanto, Rodriguez-Segura explica que, como as intervenções da EdTech podem permitir que os alunos aprendam em um ritmo adequado com o mínimo de suporte externo, elas parecem particularmente atraentes. Um exemplo são os sistemas de aprendizagem adaptativos que respondem às interações em tempo real, fornecendo automaticamente aos alunos um suporte individualizado. Um desafio comum que os professores enfrentam é adaptar sua instrução às necessidades de aprendizagem de cada aluno. Os professores podem enfrentar esse desafio diferenciando o ensino e dividindo a sala de aula em grupos menores com base nos níveis de aprendizagem dos alunos.     

Os sistemas adaptativos podem automatizar esse processo, modificando a apresentação do material em resposta ao desempenho do aluno . Os sistemas podem “aprender” com o progresso do aluno e ajustar o caminho de aprendizagem. Em alguns casos, eles têm se mostrado eficazes em termos de custos e podem melhorar drasticamente a produtividade na oferta de educação, com potencial para complementar o ensino em sala de aula, reforçar as aulas e preencher lacunas de conteúdo. Esta metodologia está intimamente relacionada a uma pesquisa avaliativa rigorosa que mostrou como direcionar a instrução de ensino por nível de aprendizagem, não por série, pode levar a resultados de aprendizagem significativos .    

Cinco condições facilitadoras para estabelecer um sistema de aprendizagem adaptável 

A função primária dos sistemas adaptativos é fornecer educação corretiva e ajudar os alunos a melhorar o domínio curricular. Eles podem complementar a instrução quando as escolas estão abertas e podem ser usados ​​pelos alunos independentemente quando as escolas estão fechadas. Por exemplo, no Equador, os sistemas adaptativos ajudaram a prevenir o abandono escolar durante o fechamento das escolas. No entanto, os sistemas adaptativos não são uma “bala de prata”. Para funcionar, existem várias condições habilitadoras que devem ser estabelecidas.   

1. A maioria dos sistemas adaptativos são proprietários e requerem altos custos iniciais para desenvolver ou se adaptar. Os sistemas adaptativos foram desenvolvidos apenas para algumas áreas (ou seja, matemática e leitura precoce) e atualmente estão limitados a essas disciplinas. Assim, ao considerar um sistema adaptativo, os formuladores de políticas têm duas opções principais: (i) adaptar um sistema proprietário pré-existente para seu contexto ou (ii) desenvolver um sistema a partir do zero. Ambos têm suas desvantagens, o primeiro envolve adaptar e traduzir um software que provavelmente só está disponível em inglês ou espanhol e mapeado para um currículo estrangeiro; os formuladores de políticas também devem pagar taxas de licenciamento para que os usuários acessem a plataforma, o que pode incorrer em custos contínuos. Ambas as opções possuem uma série de custos associados, incluindo traduções, manutenção de servidores, formação, atualizações de software, suporte técnico, entre outros.     

2. Um governo pode querer adaptar ou desenvolver um sistema do zero. Em ambos os casos, os sistemas adaptativos devem ser mapeados para o currículo. Os sistemas adaptativos requerem um mapeamento detalhado do currículo e o desenvolvimento de conteúdo para apoiar os objetivos de aprendizagem delineados no currículo. Se um governo decidir adaptar um sistema proprietário pré-existente para seu contexto, ele pode ter problemas para alterar o conteúdo para corresponder ao seu currículo. Se eles desenvolverem um sistema do zero, eles podem terceirizar o mapeamento do currículo ou incorporar esta etapa ao processo de planejamento. Em todo caso, é essencial que os formuladores de políticas envolvam os professores neste processo, o que demonstrou melhorar a compreensão e recepção dos professores durante a implementação.       

3. Os sistemas adaptativos requerem uma infraestrutura digital robusta para garantir uma adoção generalizada. Embora as evidências sugiram que o impacto da aprendizagem adaptativa pode ser maior para alunos de nível socioeconômico mais baixo e, assim, minimizar as perdas de aprendizagem, é comum que os alunos com maior risco de perda de aprendizagem muitas vezes não tenham acesso a soluções online. Portanto, é fundamental que professores e alunos acessem o sistema, tanto por meio de um dispositivo com o conteúdo apropriado nele e também de forma offline para se conectar a esse conteúdo. Embora o preço dos tablets e smartphones tenha caído significativamente e os países de baixa e média renda tenham investido no acesso digital de alta qualidade, os sistemas adaptativos requerem dispositivos sem fio e conectividade de alta velocidade, o que pode incorrer em altos custos iniciais (e outros custos associados como suporte técnico, manutenção, monitoramento, entre outros).         

4. Os sistemas adaptativos devem incluir formação para que os professores sejam implantados de maneira eficaz. O interesse dos professores de adotar novas práticas e receber bem o sistema desempenha um papel importante na determinação da eficácia do programa. Os sistemas adaptativos não têm como objetivo substituir os professores, mas sim melhorar seu papel (veja “ Reimaginando as conexões humanas ”). É importante que os professores sejam formados sobre o que se espera deles, pois, sem uma compreensão dessa mudança de papel, os gestores públicos correm o risco de diminuir o apoio dos professores. Especificamente, os professores devem ser formados sobre como: (i) usar a plataforma para mudar a função de um instrutor para um tutor, (ii) utilizar e acessar a plataforma e tecnologia associada, (iii) usar a tecnologia para o desenvolvimento do conhecimento dos alunos , (iv) utilizar os resultados da participação dos alunos na plataforma para fornecer automaticamente suporte individualizado aos alunos, (v) utilizar os dados da plataforma para planejar aulas futuras e customizar o ensino com base nas necessidades dos alunos. Essa formação deve ser acompanhada de um plano de engajamento, no qual os professores possam compartilhar boas práticas e divulgar os benefícios da plataforma por meio de diferentes canais e contextos.     

5. Além da formação de professores, os sistemas adaptativos devem envolver efetivamente os alunos. Assim como os professores, é importante envolver os alunos no processo de implantação. As iniciativas de engajamento direcionadas aos alunos visam criar incentivos intrínsecos e extrínsecos para que eles usem a plataforma de forma consistente. Um desses programas nomeou vários alunos que receberam treinamento sobre como navegar na plataforma, lidar com erros de conectividade, solucionar problemas técnicos e entrar em contato com o helpdesk. Uma abordagem adicional pode ser gamificar a experiência, os alunos podem ganhar 'pontos' (ou outra forma de reconhecimento social) com base no uso ou progressão no sistema por semana (os melhores desempenhos podem ser reconhecidos entre os colegas). Abordagens semelhantes podem ser usadas com professores.       

Quando essas condições são atendidas, os sistemas adaptativos têm o potencial de melhorar a forma como os professores instruem, aprimoram o aprendizado dos alunos e ajudam os formuladores de políticas a compreender melhor o que está acontecendo nas salas de aula (ou fora delas). No mínimo, esses sistemas requerem (i) calibração de currículo adequada, (i) avaliação inicial, (ii) customização do processo de ensino e (iii) monitoramento contínuo. No entanto, para que funcionem, esses sistemas exigem um amplo repensar do papel e da dinâmica entre alunos e professores. Mesmo no melhor cenário, essas alterações levam um tempo considerável para serem implementadas.  

A pandemia COVID-19 nos mostrou que não podemos mais contar com as formas tradicionais de ensino. É cada vez mais provável que, no futuro da aprendizagem , a tecnologia diversifique os meios de apoio aos alunos. Como mostrado, os sistemas adaptativos podem ser uma oportunidade para apoiar a aprendizagem autônoma, bem como outras formas de aprendizagem (tornando-a mais acessível, impactante e envolvente). No entanto, dada a complexidade de adotar e implantar sistemas de aprendizagem adaptativos, os sistemas educacionais devem abordar as cinco condições básicas de capacitação. Sem essas condições, os sistemas adaptativos não apenas apresentarão resultados insuficientes, mas também poderão ser uma lição cara para países de baixa e média renda. 

Agradecimentos especiais a Diego Angel-Urdinola, Iñaki Sanchez e Mike Trucano por suas contribuições perspicazes para este blog.