Rodovias: o tendão de Aquiles do Brasil?

|

Esta página em:

Foto: Enio Prado/Wikimedia Commons

Also available in English

Há cerca de três anos e meio, estamos trabalhando em um projeto com o setor de transportes no estado de São Paulo. O projeto demanda muitas viagens, incluindo deslocamentos frequentes entre o escritório do Banco Mundial em Brasília e a Secretaria Estadual de Transportes de São Paulo (DER-SP), uma viagem que é estimada em duas horas e 40 minutos. Isso inclui o tempo para dirigir do escritório do Banco Mundial para o aeroporto de Brasília, o tempo de voo e o deslocamento do aeroporto de Congonhas em São Paulo para o Departamento Estadual de Transportes.

Digamos que em uma quarta-feira qualquer, a equipe do Banco Mundial deva participar de uma reunião em São Paulo. Para garantir que chegaremos a tempo, planejamos nosso dia com cuidado, reservamos nossos voos e definimos o momento certo para deixar o escritório em Brasília. Conforme planejado, saímos do escritório às 10h e seguimos para o Aeroporto de Brasília. A primeira etapa da viagem leva 35 minutos e nós conseguimos chegar cedo para o nosso voo às 11h, que, infelizmente, se atrasa por 20 minutos.

Aterrissamos em São Paulo, rapidamente saímos do terminal, e conseguimos pegar um táxi às 13h20. Nada mau! Estamos agora na última etapa da nossa viagem, a apenas 14km de distância entre o Aeroporto de Congonhas e o local de encontro, que supostamente levaria apenas 20 minutos. No entanto, uma chuva de verão inunda a cidade e fecha as ruas principais. Isso transforma o tráfego ao longo de nossa jornada em um completo caos, e nosso percurso previsto em 20 minutos se transforma em uma longa viagem de uma hora e 15 minutos. Esses eventos têm sério impacto em nossa reunião, uma vez que alguns funcionários do Departamento de Transportes não conseguem chegar e alguns itens da agenda deixam de ser discutidos.

O incidente pode parecer esporádico, mas ilustra bem a nossa extrema dependência dos sistemas de transportes e as fragilidades associadas a eles. Como são tão críticos para nossas vidas social e econômica, é extremamente importante entender, antecipar e minimizar os diferentes tipos de riscos que podem afetá-los.

Por isso, o Banco Mundial está trabalhando para ajudar os governos a enfrentar melhor os desafios trazidos pelas mudanças climáticas no setor de transportes em todo o mundo. Eventos extremos (como inundações) podem aumentar o fardo para as autoridades de transporte, pois muitas delas gerenciam redes já congestionadas e não conseguem lidar com fatores críticos como vias principais ou túneis interrompidos por condições climáticas desfavoráveis.

No caso específico de São Paulo, o Banco Mundial vem desempenhando um papel fundamental para tornar a resiliência climática parte integral do Projeto de Transporte Sustentável de São Paulo. Está sendo dada especial atenção às rodovias do complexo Anchieta-Imigrantes (parte estratégica da rede rodoviária local que liga São Paulo à cidade costeira de Santos) com vistas a proteger a infraestrutura de transportes do Estado, evitando, tanto quanto possível, as interrupções do sistema devido a eventos climáticos extremos e buscando a assegurar um desenvolvimento sustentável.

Com base nessa experiência, o Banco Mundial, em conjunto com o Instituto Geológico e com o apoio da Plataforma Global para a Redução de Desastres e Recuperação (GFDRR), preparou uma breve publicação para explorar opções de modo a tornar as infraestruturas de transporte mais resilientes a eventos climáticos.

Entre as possíveis soluções, o projeto está financiando atividades de mapeamento de riscos, melhoria do monitoramento climático, estudos sobre impactos econômicos de eventos extremos, entre outros. Combinados, eles ajudariam as autoridades estatais (em particular, a Secretaria Estadual de Transportes, com o apoio do Instituto Geológico e da Defesa Civil) a criar planos de contingência. Os mesmos devem contribuir para reduzir os impactos de curto e longo prazos nos setores de transporte de passageiros e de carga e, portanto, melhorar a resiliência do sistema e das economias dependentes deles.

Assim, à luz da crescente frequência de eventos extremos e dos seus impactos humanos e perdas econômicas, é fundamental incorporar as práticas de resiliência ao setor dos transportes por meio de melhores processos de gestão e manutenção de ativos.

Sempre nos lembramos de uma história marcante: em fevereiro de 2013, o Estado de São Paulo sofreu com intensas chuvas, o que resultou em deslizamentos ao longo das rodovias Anchieta-Imigrantes. Uma pessoa morreu e a Rodovia Imigrantes permaneceu fechada por várias horas. Considerando que cerca de 25% da produção econômica brasileira depende do complexo Anchieta-Imigrantes e que a economia nacional é altamente dependente de conexões rodoviárias eficientes entre São Paulo e Santos, o fechamento da estrada também causou prejuízos econômicos consideráveis para o país.

Esse e outros acontecimentos demonstram, mais uma vez, a importância primordial de incorporar variáveis pertinentes às mudanças climáticas e ao risco de desastres em projetos de transporte. Visto ao exposto, nos perguntamos: seria o complexo Anchieta-Imigrantes o calcanhar de Aquiles do nosso gigante Brasil?

Topics
Countries

Autores

Frederico Pedroso

Disaster Risk Management Specialist

Eric Lancelot

Senior Transport Engineer, Transport Unit. Latin America and the Caribbean Region, The World Bank