Quanto devemos pagar para preservar a Amazônia?

|

Esta página em:

Imagem
Floresta Amazônica na Ilha de Marajó, Brasil - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Floresta Amazônica na Ilha de Marajó, Brasil - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Atualmente, vem sendo assumidos compromissos financeiros significativos para proteger a Amazônia brasileira. Quanto dinheiro será necessário no total? 

O Brasil corre o risco de perder a Amazônia

Desde o surgimento da agricultura, há cerca de 12 mil anos, os humanos vêm gradualmente alterando — e destruindo — as paisagens naturais do planeta. Apenas cerca de 13% da terra ainda permanece em seu estado selvagem. No Brasil, a fronteira agrícola continua avançando cada vez mais rumo ao “pulmão do mundo”, destruindo ecossistemas milenares, que abrigam uma biodiversidade excepcional e 300 mil indígenas , e colocando em risco o clima regional e global. Felizmente, muita atenção tem sido dada à proteção do bioma, inclusive com o apoio de mais de 60% da população do Brasil, país que abriga dois terços da Amazônia.

O Brasil é, há muito tempo, pioneiro na conservação florestal, com muitas áreas protegidas e territórios indígenas em seus nove estados amazônicos, que, juntos, cobrem uma área maior que a França, a Espanha, a Alemanha, a Itália e o Reino Unido. Diversos municípios foram incluídos em listas de exclusão, e produtores de soja e pecuaristas comprometeram-se a criar zonas livres de desmatamento. Além disso, o sistema brasileiro de monitoramento por satélite em tempo real permite ao país detectar rapidamente o desmatamento ilegal e, em princípio, mobilizar as autoridades para detê-lo.

Tudo isso vinha ajudando a proteger a Amazônia. No entanto, ao longo dos últimos sete anos, o desmatamento voltou a crescer, fazendo com que a Amazônia deixasse de ser um sumidouro de carbono e se transformasse num emissor líquido desse gás. Há um risco real de que cheguemos a um ponto de inflexão que desencadearia a morte permanente de grandes extensões florestais. Isso representaria uma calamidade regional e global — para os povos indígenas da Amazônia, para os agricultores e produtores de energia hidrelétrica em toda a América do Sul e para a biodiversidade global — e aceleraria o aquecimento global.

É urgente e necessário que evitemos o aumento do desmatamento. A questão é: quanto custaria fornecer incentivos para deter o desmatamento?

Quanto vale a Amazônia brasileira?

Um primeiro passo é estimar o valor monetário da Amazônia (ver tabela 1). Como é impossível avaliar todos os componentes da floresta em pé, nossas estimativas representam os valores mínimos.

Tabela 1: Valores da Amazônia brasileira, com avaliação mínima dos valores de proteção (em bilhões de dólares estadunidenses por ano)

Imagem
Valores da Amazônia brasileira, com avaliação mínima dos valores de proteção (em bilhões de dólares estadunidenses por ano)
Fonte: Hanusch, M. (2023) Equilíbrio Delicado para a Amazônia Legal Brasileira - Um Memorando Econômico / Grupo Banco Mundial

Valores privados: incluem o turismo e a produção sustentável de madeira, castanha-do-brasil, borracha e outros bens.

Valores públicos regionais: incluem os benefícios ecossistêmicos para todo o continente, por meio da regulação do clima local e da precipitação (os “rios voadores” nascidos na Amazônia, que beneficiam todo o continente), da polinização e da proteção das florestas intactas contra incêndios florestais na própria região.

Valores públicos globais: representam a maior parte do valor da Amazônia, em grande parte devido a sua enorme capacidade de armazenar CO2, que, segundo uma avaliação conservadora, vale US$ 40 por tonelada. Além disso, um considerável “valor de opção” — uma espécie de arca do tesouro medicinal para a indústria farmacêutica, por exemplo — está associado à biodiversidade da Amazônia. Também há valor na mera existência da Amazônia e de sua biodiversidade, que pode ser estimada por meio de estudos e levantamentos.

Em resumo, a Amazônia gera um valor anual de pelo menos US$ 317 bilhões, o que supera as estimativas mais generosas do valor associado ao corte dessas florestas para extração de madeira, pecuária, soja ou mineração  (de US$ 43 bilhões a US$ 98 bilhões).

Quanto devemos pagar para proteger a Amazônia?

Embora a monetização do valor da Amazônia brasileira possa render pagamentos anuais equivalentes a aproximadamente 20% do PIB (US$ 317 bilhões), apenas o valor de uso da floresta para outros fins (US$ 43 bilhões a US$ 98 bilhões por ano) precisa ser compensado para desincentivar totalmente o desmatamento.

Na realidade, a Amazônia brasileira está encolhendo a uma taxa de 0,3% ao ano. Os pagamentos podem ser feitos apenas para a parte da floresta que corre um risco real de desmatamento, vinculando a compensação necessária pelo desmatamento evitado ao valor de oportunidade de conversão da floresta para outros usos. Esse valor (conforme estimativas máximas) está na faixa de US$ 43 bilhões a US$ 98 bilhões por ano, o que corresponde a um valor total de estoque de US$ 1,4 a US$ 3,3 trilhões.

Usando esses números aproximados, se a área estimada da floresta em risco em determinado ano fosse de 12.200km2 (área perdida em 2021) e se essa área fosse totalmente protegida, de US$ 5 bilhões a US$ 10 bilhões precisariam ser desembolsados, além, idealmente, do custo de aplicação das leis de proteção florestal.

São incentivos consideráveis. Um valor intermediário de, digamos, US$ 7 bilhões corresponde a 0,4% do PIB nacional. Contudo, se considerarmos apenas os nove estados da Amazônia Legal brasileira, o valor equivale a 6% do PIB da região, ou 23% dos orçamentos anuais desses estados, o que é muito significativo.

Além dos mercados de carbono, recursos de doação (como o Fundo Amazônia, apoiado pela Noruega e pela Alemanha) também podem ser de grande ajuda. Em termos globais, parece haver apoio para isso: as estimativas indicam que os brasileiros estariam dispostos a pagar US$ 120 milhões por ano, ao passo que os americanos pagariam US$ 340 milhões, e os canadenses, US$ 38 milhões.

Para que deve ser usado o financiamento?

Uma grande parte do financiamento deve ir para os governos do Brasil e dos estados da Amazônia Legal, pois muitos recursos são necessários para custear os esforços de proteção florestal dos órgãos de aplicação da lei e de governança territorial e florestal. Também será fundamental promover o desenvolvimento sustentável e melhorar os padrões de vida por meio de fontes alternativas de renda de forma a aliviar a pressão sobre a floresta. A promoção de maior produtividade urbana e agrícola também requer investimentos.

Idealmente, a proteção deveria ser estendida a todas as florestas do Brasil — e, de fato, a todas as paisagens naturais remanescentes no mundo .

 

Artigos relacionados:

Autores

Marek Hanusch

Economista Líder e Líder de Programa no Grupo de Práticas para Crescimento Equitativo, Finanças e Instituições do Banco Mundial 

Jon Strand

Economista e consultor do Banco Mundial

Juntar-se à conversa