Empreender e inovar: propostas de soluções para a mudança e reconstrução necessárias em África

|

Esta página em:

Este é um dos 38 blogues vencedores do concurso Blog4Dev 2021, um concurso anual de escrita do Banco Mundial África que convida os jovens a ponderar sobre um tema crítico para o desenvolvimento económico do seu país. Os vencedores do Blog4Dev responderam à pergunta: Como podem os jovens trabalhar com os seus governos e organizações da sociedade civil para responder ao impacto da COVID-19 e construir um sistema económico e social pós-pandémico mais forte?

África é o continente que detém a população mais jovem do mundo, com uma média de 18 anos entre os cerca de 1,3 mil milhão de habitantes. A região subsaariana conta com uma população de cerca de 40% com uma idade não superior a 15 anos. Esses dados são, indiscutivelmente, uma das maiores promessas para o futuro do continente e dos próprios africanos. Uma população maioritariamente jovem representa, acima de tudo uma responsabilidade para este; o papel de influenciar na implementação de mudanças positivas e contribuir para a reconstrução pós-pandemia está também nas mãos dos jovens.

A questão mais importante relativamente a como enfrentar o impacto negativo causado pelo coronavírus em África, tem, principalmente a ver com trabalhar em sistema, cada um dos intervenientes a executar com eficácia o seu papel, de modo a que os resultados sejam notáveis e possamos rapidamente nos erguer das sequelas causadas pelo maior desafio global que enfrentamos hoje: o coronavírus. Reerguermo-nos após o período de luta vai exigir uma maior consciência, sensatez e envolvimento dos jovens em acções com os seus governos, mas também nas iniciativas das organizações da sociedade civil e outras criadas por eles. Os governos precisarão tomar decisões concretas, ponderadas e flexíveis, para uma rápida recuperação e crescimento contínuo das suas nações, considerando que os jovens são a maioria e têm um papel indispensável para o sucesso da luta que travamos.

O Ministério da Saúde de Moçambique divulgou este Novembro (2020) um relatório em que mostra que a taxa de letalidade resultante da pandemia é a mais baixa a nível da Comunidade de Desenvolvimento de África Austral (SADC), com apenas 1%, enquanto que o continente tem a taxa média de 2.4%. Entretanto, os efeitos da devastação social e económica continuam a decrescer e, será necessário um longo período para as coisas voltarem a funcionar com normalidade. Como se pode imaginar, a maior parte da economia do país e do continente é movimentada por jovens, cuja a responsabilidade é relevante para construir um continente forte, promissor e próspero.

Os jovens podem juntar-se aos seus governos e organizações da sociedade civil para enfrentar o impacto da COVID-19 e construir um sistema social e económico mais robusto após a pandemia de diferentes formas, dentre elas:

  • Empreender para reerguer África: empreender significa que o jovem observa uma necessidade real e vê isso como uma oportunidade. Ao mesmo tempo procura colmatar o problema, ajuda o país a progredir social e economicamente para construir um sistema social e económico mais resiliente, através da geração de emprego e resolução de problemas.
  • Apostar na inovação tecnológica: o acesso aos recursos tecnológicos é cada vez mais crescente em Moçambique e no resto de África; a internet, as máquinas inteligentes e os aparelhos futurísticos, parecem ser um caminho irreversível. A reconstrução pós-COVID-19 significa a aposta por soluções que a tecnologia oferece para apoiar os governos e as organizações a informarem, a educarem e a criar outro tipo de iniciativas que podem ajudar para uma reconstrução mais acelerada do sistema social e económico africano. O domínio das inovações tecnológicas está, maioritariamente, nas mãos dos jovens. A flexibilidade, por um lado dos jovens, por outro da própria tecnologia são dois aliados necessários para fortalecer e reconstruir rapidamente os países.
  • Tornarem-se os principais actores: Enquanto o governo intervém com as políticas, os jovens em parceria com as organizações da sociedade civil, precisam participar como principais actores. Precisamos de jovens destemidos, que lideram processos e acções, com uma mentalidade e força para gerar mudanças.
  • Serem intermediadores: os jovens tem uma responsabilidade acrescida para ajudar as regiões mais vulneráveis, tanto em termos de informação, mas também em termos de iniciativas transformadoras, inovadoras e lucrativas. Se os jovens são a maioria, então podem fazer muito mais do que lhes é delegado. Precisam ser proactivos, tomar dianteira das iniciativas que são importantes para enfrentar os desafios impostos pela pandemia, em todos os sectores.

Está tudo em nossas mãos. Precisamos sair dos espaços fechados, juntarmos os nossos esforços, apoiar os nossos governos, em parceria com as organizações da sociedade civil, ajudar as nossas comunidades, conectarmo-nos a outros jovens. Precisamos ser os principais intervenientes e usar o nosso conhecimento para ultrapassar os efeitos negativos causados pela maior pandemia dos últimos tempos. Somos a maioria e cabe a nós decidirmos que futuro queremos para o continente africano.

Mélio Tinga é o vencedor do concurso 2021 Blog4Dev de Moçambique.Veja a lista completa dos vencedores do 2021 Blog4Dev aqui, e leia os seus posts no blogue. 

Autores

Mélio João Tinga

Winner of the 2021 Blog4Dev competition for Mozambique.

Juntar-se à conversa